Por quê as pessoas se incomodam com o trabalho? por Mauri Ribeiro

Esse artigo é fruto de uma reflexão que tenho sobre muitas pessoas.

Trabalhar, entre muitas definições, podemos citar “Ocupar-se em alguma profissão, ofício, atividade, geralmente remunerada”, de acordo com o dicionário. Essa condição humana que nos faz conquistar bens e coisas e pagar as contas. Eu não preciso explanar todo um contexto antropológico sobre isso, porque vocês já sabem o que é. O ponto de toda a discussão é entender porque algumas pessoas se incomodam com isso.

Se você é empreendedor ou freelancer, provavelmente já deve ter ouvido “você trabalha demais!” E talvez quem esteja tentando criar um negócio ou se estabilizar trabalhe mesmo. 0 engraçado de ouvir tudo isso é que as pessoas que geralmente falam não trabalham tanto assim. Em sua maioria, vivem ‘conformadas’ com aquilo que tem e não conseguem se desprender.

Grandes empresas que existem hoje foram fruto de muito esforço no começo, e na maioria das vezes, nem começaram bem. Foram anos até se estruturarem e firmarem um negócio, com muitas quedas pelo caminho. Sim, ao menos que você ganhe na Mega Sena, nada vem fácil.

Às pessoas não percebem que temos demanda para entregar, e que muito da confiança de nossos clientes é da fidelidade e valor que entregamos — porque convenhamos que tem um monte de gente que faz o que fazemos, independente da profissão. Mas entregar valor que beneficiará o negócio do cliente é o diferencial. Por isso, precisamos trabalhar. Tempo e energia investido em algo que nos proporcionará dinheiro (afinal, ninguém trabalha de graça), mas também satisfação em executar um bom trabalho e ver ele dando resultado. Por isso trabalhamos!

Não quero ser aquele cara compulsivo que só trabalha e não vive. Realmente tem muito disso mesmo. A gente se esforça, mas vive também. Falando por mim, consigo produzir mais de madrugada e pela manhã. Nos fins de semana, dou uma carga maior de trabalho, mas isso não me impede de ir no cinema, viajar, manter quadrinhos e séries atualizadas, assistir um filme, conversar, sair… e ainda fazer tudo o que faço. O real valor está no gerenciamento de tempo. Se soubermos aproveitar o tempo que temos, dá pra fazer tudo isso.

A maioria dessas pessoas que reclamam tanto, são frustradas por não conseguirem realizar aquilo que realizamos. Talvez queiram se prospectar na gente, mas estão presas no seu ciclo vicioso e só podem reclamar do que fazemos. O que elas não entendem é que trabalhamos tanto agora para não ter que trabalhar mais. Estamos em um barco que está navegando até chegar num porto, e ao chegar no porto, ele para. O que temos hoje não é suficiente, mas um dia vai ser — e isso só vem através da força bruta.

Não acho que trabalhar seja ruim, eu adoro. Acho que quando excessivo, como qualquer outra coisa, não é bom. Mas com gerenciamento e a busca por melhorias, são uma grande arma para ser bem sucedido — e isso não é necessariamente ter dinheiro, é viver bem (pelo menos na minha definição).

Entendo quem se acostumou com o que tem. Entendo mesmo. Estar numa zona de conforto é confortável (sem ser redundante). Mas eu quero mais! E por isso escrevi esse artigo. Para obter feedbacks de quem pensa parecido ou vive parecido.

Tem algo pra complementar? Concorda com esse ponto de vista? Fala aí e vamos trocar ideias.

__________
Autor: Mauri Ribeiro

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.